Público riostrense vai ter a oportunidade de assistir a filme sobre o combate a violência feminina

Chegou a vez de Rio das Ostras assistir ao filme “Mujeres de Arena – Um Grito Contra os Feminicídios”. Nesta quinta-feira, dia 18, o público riostrense vai poder assistir, a partir das 19h, uma sessão especial na Plataforma Youtube. Os ingressos são gratuitos e podem ser retirados na sympla, pelo link https://www.sympla.com.br/mujeres-de-arena—um-grito-contra-os-feminicidios__1408625

Após o filme, haverá um debate online sobre “Violência contra a Mulher” com a participação de Dra. Esmeralda Paes Maciel, advogada militante, apaixonada pelo Direito e pelas Causas Sociais; Presidente da Comissão de Prevenção e Combate à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, na 52ª Subseção da OAB de Rio das Ostras.

O espetáculo “Mujeres de Arena – um grito contra os feminicídios” é uma adaptação da obra original “Mujeres de Arena”, do dramaturgo mexicano Humberto Robles, realizada pela artista Rosite Val e pela produtora Mirian Arce, fundadoras do RAVER Coletivo Teatral.

O texto, escrito a partir de testemunhos de mulheres de Ciudad Juárez, Chihuahua/ México e de casos reais brasileiros, é um grito de denúncia contra os feminicídios e os desaparecimentos de mulheres em números estrondosos, que ocorrem no nosso país, no México e em seis países sul americanos: Argentina, Bolívia, Colômbia, Guyana, Suriname e Venezuela.

A adaptação é a primeira versão do texto como monólogo, inclui sempre um caso ocorrido na cidade ou no estado onde o espetáculo é apresentado e é a primeira montagem da obra no Brasil. Com uma encenação de linguagem simples, direta e perspicaz, dá voz às nunca ouvidas, às esquecidas a fim de promover um ato de espelhamento e fomentar uma rede de conscientização e luta contra o machismo ainda imperante no século XXI. 

O espetáculo é destinado a adultos e jovens a partir de 14 anos, de todas as raças e classes sociais, e em específico, às mulheres em situação de risco, suas famílias e famílias com histórico de violência; população LGBTQI+; formadores de opinião; militantes; professores e educadores; filósofos; classe artística e uma gama inominável de cidadãos interessados na temática e às entidades de proteção às mulheres em situação de risco, a fim de chamar a atenção do estado e de suas autoridades políticas para essa drástica estatística. 
Agradecimentos à 52a Subseção de Rio das Ostras na pessoa da Presidente Dra. Michele Mansur. Mais informações pelo e-mail : mujeresdearenarj@gmail.com

Compartilhe essa notícia:

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Veja também...